21 de setembro de 2017

Benefícios das Ervas - Use e abuse na sua cozinha



Créditos da Imagem: WIX

O que é Pressão Arterial Sistólica e Diastólica?

        A pressão arterial é uma medida de quão intenso é o fluxo de sangue passando pelas suas artérias. Os valores de referência para pressão arterial são medidos em milímetros de mercúrio (mmHg) e ela é composta de duas medidas: sistólica e diastólica.

            A P.A é um tema no qual todos nós já ouvimos falar, mas grande parte da população não sabe ao certo do que se trata a pressão sistólica e diastólica. A presente publicação tem o objetivo de saciar as dúvidas dos leitores acerca dos conceitos da PAS e PAD.

A Pressão Arterial Sistólica

            A PAS é também conhecida como a “pressão máxima”, e se trata da pressão do sangue no momento da sístole cardíaca, em outras palavras, no momento da contração do coração, ocasionando o impulso do sangue para as artérias.

            Se trata da pressão exercida pelo sangue contra a parede das artérias, ou seja, quanto mais o coração se contrai com ênfase, mais a pressão sistólica aumentará (LOPES, 2010).

A Pressão Arterial Diastólica

            Com relação a PAD, também conhecida como mínima, se opõe a pressão arterial sistólica e é influenciada pela resistência imposta pelos vasos contra a passagem do sangue.

            A sua relação com o exercício físico pode se dar pelo fato de que durante atividade a resistência á passagem do sangue seja menor devido ao relaxamento das artérias, fazendo consequentemente com que a pressão arterial diastólica seja reduzida, sendo um indicador de boa condição física (LOPES, 2010).

Quais os valores referenciais de pressão arterial?

A pressão arterial merece atenção, pois, o seu excesso ou quando está muito reduzida gera complicações á saúde.

Em 2007, o Joint International Commitee, relatou alguns valores de referência para a mensuração da P.A, sendo eles:

Hipertensão: Igual ou superior a 14/9 ou 140 mm/Hg sistólica por 90mm/Hg diastólica.

Tensão normal: Igual ou inferior a 12/9 ou 120 mm/Hg sistólica por 90mm/Hg diastólica

Pré Hipertensão: Faixa que vai dos 12 a 13,9 (120 a 139) sistólica e/ou 8, 8,9 (80 a 89) diastólica.

Hipotensão: Inferior a 9/6 ou 90 mm/Hg sistólica por 60 mm/Hg diastólica


Fonte: http://cienciadotreinamento.com.br/2015/09/o-que-e-pressao-arterial-sistolica-e-diastolica/

20 de setembro de 2017

Ser Grandiosa


" Nasci em um Mundo grande demais onde eu era apenas um cisco. Hoje, diante de tudo que enfrentei e aqui estou, sou grandiosa diante de tanta pequenez desse Mundo. A minha amplitude é infinita mesmo que contrarie meu corpo aparentemente frágil. Quem não me conhece, quem não sabe da minha história e tudo que passei, não sabe que eu sou tão forte que não me abalo nem por certos olhares que desconhecem o amor. O amor e a fé são as coisas mais poderosas desse mundo! Hoje eu sou grande porque sou feliz, sou feliz porque sou grande! "

(Jaqueline)

18 de setembro de 2017

Consulta com Nefrologista

** Marcaram essa consulta extra pois recebi um SMS que não foi agendado lá onde foi solicitado pela Nefro no dia 21/08 (Clínica Geral).
* Me explicou que não aceitaram o caso dela, e se mandar pro setor de Nefro também não pegam pois ela não tem nada renal. O Incor só está pegando casos complexos e de cirurgia.  O que ela precisa é de um Eco e Eletro por ano, e acompanhamento por conta da Hipertensão, e exames para verificar esse Bicarbonato e Potássio, e essa parte laboratorial que a Nefro faz a cada 6 meses.

* Fez um encaminhamento para a unidade de saúde próxima de casa. Fez uma nova receita para que pegue medicações até eu conseguir isso, só o Bic o posto não dá, mas isso pode ser manipulado. Falei que como tirou o enalapril pode ser que esses valores de potássio e bic melhorem e no próximo exame se comprove isso.

Vamos que vamos né? Vamos tentando, correndo de lá pra cá, e vemos onde vai se encaixando. 

Até a próxima,


Adriana



13 de setembro de 2017

Quando uma mãe descobre que a sua bebê tem Síndrome de Turner.



Outro dia uma pessoa que tem filha com Síndrome de Turner bebê conversou comigo e disse que viu coisas horríveis a respeito e veio me perguntar se algumas coisas eram normais na ST pois a filha dela tinha essas alterações.

A primeira coisa que eu disse à ela: - "Não fique impressionada com as coisas que você vê na internet. Sabe porque? Porque cada caso é um caso. Não fique procurando coisas. O que a menina precisa é atendimentos, exames, investigações. Em nada vai ajudar ficar procurando coisas na internet. Quando tive a minha filha e descobri a Síndrome, por sorte não tinha nada disso pra eu olhar. Procure uma geneticista, e siga o tratamento, pois infelizmente por aí não vemos coisas boas a respeito."

Hoje eu entendo que todos exames, tratamentos, consultas era o que ela precisava. A princípio achávamos que faziam-a de cobaia. Depois com acesso correto à internet, e aos exames periódicos vi que eles são extremamente necessários. É claro que isso não impede de encontrar ótimos médicos e péssimos médicos. Mas cada experiência é um aprendizado, sempre foi e será.

Comentei que exames de tempos em tempos são necessários: Ecocardiograma, Raio x de punho, Ultrassom Pélvico, Ultrassom de Vias urinárias, Exames Laboratoriais, Densitometria Óssea, e tantos outros. 
É melhor cuidar, prevenir do que remediar. Há algumas resistências, uma apatia normal quando se descobre, mas eu sempre digo que o que vai fazer a diferença na vida dessa menina e de tantas outras é a maneira que age desde agora. 

Eu como mãe de uma adolescente de 18 anos Turner ouvi muita coisa, houve muita resistência de pessoas da família do meu marido em aceitar que ela tem a Síndrome. Nunca a rejeitaram, mas tive que bater o pé e correr atrás de tudo que era preciso sem ouvi-los. Meu marido até hoje não gosta muito de ouvir as opiniões médicas. Depois de eu contar tudo ele só pergunta: Tá tudo bem então né? (Pra resumir), ou se acontece algo (vamos cuidar). Se eu tivesse deixado me levar pelas opiniões nunca teria tratado a minha filha de forma correta. Sou realista, mas não acho que tudo é da Síndrome de Turner. Acho que muitas coisas aparecem por fatores hereditários, ou porque tem que aparecer e não tem explicação pois além da ST ela tem Paralisia Cerebral e sabemos que o cérebro é algo muito complexo, e há alterações no organismo que independe de qualquer diagnóstico ou explicação que fosse coerente.

Independente daquele luto que todas vivem ao descobrir, não se pode cruzar os braços. O tempo é algo crucial que fará toda a diferença no futuro dessa menina. Nenhuma será igual a outra, e é bem verdade que algumas terão muitas coisas em comum. Mas cada caso é um caso e deixo isso bem claro. A minha nunca será igual a uma outra, até porque todos nós seres humanos nunca seremos igual ao outro.

Não trate sua filha, ou não se trate como um diagnóstico. Respeite suas vontade, olhe para a personalidade. Pergunte, corra atrás de tudo que for necessário para sua filha ter acesso a todos tratamento e quando tiver oportunidade de optar fazer algo. Se até chegar essa fase não der, escolha o melhor à ela. Não escute coisas negativas, pense sempre que é única como cada um de nós nessa Terra.

Quanto mais se compadecer, mais será difícil. Quando não aceitamos uma situação, ela fica mais dura e pesada. Sei que não é fácil ouvir e dar de cara com uma realidade, ou com uma situação. Muitas vezes, algumas dessas situações demorarão pra se resolver. Outras passarão sem a gente perceber. Nunca sabemos o desenrolar das coisas mas podemos ter auxílio dos médicos para cuidar, para resolver. 

Não podemos nos culpar por coisas que não temos capacidade de controlar. Temos apenas que fazer a nossa parte, um dia caindo e no outro levantando, mas com certeza sempre tentando. Não vamos tirar tudo de letra nessa vida, mas não convém colocar mais peso do que o necessário. A vida é um dia de cada vez, não conseguimos pular dois dias como se fosse uma escada pra chegar mais rápido ao destino. Precisamos nos respeitar: A nossa dor, a nossa incapacidade, a nossa incompreensão, a nossa resistência, mas não ser escravo delas. E errar? Faz parte! Eu evoluo a cada dia e quando olho pra trás eu vejo o quanto era pequena e o quanto eu cresci. E crescer não é impossível quando queremos, e talvez algumas vezes a vida nos impõe isso de forma categórica! 

Um abraço a todos,

Adriana

11 de setembro de 2017

18 anos!


Ela é engraçada sarrista, forte e batalhadora. É uma menina mulher, romântica, carinhosa, feminina, vaidosa, feliz, esperta, sorridente, geniosa, grata, desconfiada, inteligente, ansiosa, companheira, amiga, sincera, delicada e sonhadora. Ela é tantas coisas que não caberiam nesse texto!

Não temos palavras para agradecer pela oportunidade de ser seus pais! Você tem uma alma grandiosa, linda, limpa e serena... Coisa rara nesse mundo... Que passa por tanta coisa e leva a vida tão leve, tão agradecida, tão linda! Que não tem nem a malícia de olhar para o que possivelmente poderia lhe faltar e sim olha para o que tem. E esse ter é tudo!

Agradecemos por sua vida todos os dias, e o melhor de tudo é vivê-la de forma tão feliz! Passamos por tantas coisas, ao mesmo tempo que tudo foi vivido e enfrentado com tanto amor.  Só agradecemos pela filha maravilhosa que é! Agradecemos a Deus pela benção que é em nossa vida! 

Que continue assim, do jeitinho que é! Que seu sorriso continue a iluminar! Obrigada filha tão amada por nos guiar. Não fazemos nada demais... Nada mesmo! Nós que somos cuidados por você a cada dia! Obrigada por nos ensinar a cada dia que vivemos de forma errada nesse mundo, que devemos nos espelhar em você. Estamos engatinhando ainda é verdade, talvez nos prendemos muito aos tropeços da vida quando deveríamos olhar mais para o exemplo que vem de você! Mas vamos conseguir! Só queremos paz e amor pra cuidar de você de forma digna, incondicional e com todo amor que você merece!

Parabéns princesa! Você é maravilhosa! Vivemos, respiramos, amamos e sorrimos por você! Tudo está bem se você estiver bem! O resto a gente tira de letra pois nada faria sentido sem tê-la em nossa vida.

" Felicidade é uma coisa rara pois geralmente as pessoas costumam olhar para o que falta, olhar para o exterior, e achar que isso é tudo. Felicidade é encontrá-la mesmo que falte muitas coisas, mas ser tão feliz assim mesmo a ponto de não dar tempo de olhar para as perdas e nem para as aparências" (Adriana).

De duas pessoas das tantas que te amam,

Mamãe e Papai!

6 de setembro de 2017

Consulta com Endocrinologia setor adulto

Hoje foi a primeira consulta da Jaqueline pra onde foi encaminhada pela a Endocrinologia do Instituto de Pediatria para o Instituto onde passará a ser atendida por um médico que é especialista em Síndrome de Turner.
Confesso que fiquei um pouco perdida porque minha filha acompanha na pediatria desde recém nascida, então é como se tivéssemos saído da barriga da mãe... Saindo do colo protetor.
Ao mesmo tempo, é uma nova etapa na vida dela, e sei que tudo será o melhor pra ela pois ela não é mais uma criança. E novas condutas são tomadas com um atendimento mais direcionado ao que ela precisa.
Fora que o hospital é imenso, é muito mais gente, e totalmente diferente os procedimentos. Enfim, conseguiu ser atendida dentro do tempo que geralmente era atendida no outro.

Como não tinha o Prontuário médico devido à esse encaminhamento para seguimento, ficamos um bom tempo conversando, eu respondendo e fornecendo os dados do histórico médico da Jaqueline. 

Medicamentos:

* Tirou a Vitamina D pois a dela está suficiente. Só volta se por acaso estiver baixo no próximo exame.

* Tirou o Estrogênio, e colocou um que além do estrogênio (que é importante pra parte óssea), um outro que a protege. Perguntou porque não deram a Progesterona. Expliquei que é por causa que ela iria menstruar e eu não queria isso devido ela ser cadeirante e usar fralda. Explicou que para ela não menstruar era só não interromper pra ela não sangrar todo mês. 
Pode ser que no intervalo de 12 meses que toma por exemplo ela tenha sangramentos, ou aconteça 1x em um mês desse 1 ano. Mas tomar apenas o Estrogênio acontece alguns escapes e quando isso ocorre significa que está acontecendo um espessamento do endométrio, e a longo prazo mesmo que a dose dela seja pequena devido ao porte dela, há risco de câncer, alteração cardíaca e ele não quer isso.Esse medicamento o SUS não dá, vai ter que comprar.

* As Pacientes Turner tem falência ovariana e é contraditório pois em 2014 o hormônio TSH dela estava alto sem reposição, e agora que toma está menor. Geralmente a dose de hormônio de reposição para todas as mulheres é igual, coisa que ele acha errado pois cada uma tem um valor diferente e precisam de doses diferentes para suprir. 

Exames: 

Não vai pedir Densitometria, Rx de punho, pois fez no ano passado e precisa fazer a cada 2 anos. Como tem Eco e Eletro desse ano pode resolver no ano que vem as pendências com o outro especialista. Só vai pedir exames laboratoriais, um USG pélvico pra ver como se comporta essa parte com o novo medicamento e um exame audiométrico que será agendado por SMS. Perguntou se ela já fez algum exame de audição alguma vez, eu disse que já fez no IC quando era bebê (o bera) e só. Ela disse que pediu porque portadoras Turner podem desenvolver alterações na audição.
A Densitometria quando pedir, só fazer pedido do punho pois o exame fica comprometido devido a haste.
O retorno é daqui 6 meses. 


Ela está bem, mas tem uma série de coisinhas que precisa de acompanhamento e está tendo mais consultas além das que já passa normalmente devido esses encaminhamentos para o setor adulto. Leva um tempinho até tudo se encaixar, está um pouco corrido com tantas coisas a resolver, mas é necessário. Responsabilidades de gente grande.


Um abraço e até a próxima,

Adriana